logo

Menandro

Μένανδρος Menander Comicus Men.
página em construção

O mais importante e o mais popular dos poetas cômicos da comédia nova.

Menandro

Menandro (gr. Μένανδρος), nasceu em Atenas em -342 e viveu até -292, aproximadamente. Assim como Eurípides, a quem Menandro admirava, não teve grande sucesso em vida e obteve reconhecimento somente depois de sua morte.

Era de família abastada, filho de Diopeites, e sobrinho do poeta cômico Aléxis de Túrios. Estudou na Academia, sob a direção de Teofrasto, e se tornou amigo de Demétrio de Fáleron. Elegante, bon-vivant, nunca se meteu com política.

Em suas comédias, recorria muito a intrigas amorosas e ao reconhecimento de crianças perdidas, e ao dia-a-dia da vida familiar. Seus personagens eram pessoas comuns, um tanto estereotipados mas descritos com finura e plausibilidade.

Premiado apenas oito vezes, sua primeira comédia (A cólera), foi apresentada em -323, quando tinha apenas 18 anos. Escreveu pouco mais de 100 peças, das quais conhecemos o título de pelo menos noventa. Somente uma delas chegou até nossos dias: O Misantropo, que recebeu o primeiro prêmio nas Leneias de -317. Temos, porém, pedaços substanciais de outras, e.g. A samiana, O escudo e O homem que odiava a si mesmo.

ὦ Μένανδρε καὶ βίε, πότερος ἄρ' ὑμῶν πότερον ἀπεμιμήσατο; Ó Menandro, ó vida, quem dentre vós imitou quem? Aristófanes de Bizâncio (apud Siriano)

Menandro foi muito elogiado pelos estudiosos antigos após sua morte, especialmente por Aristófandes de Bizâncio (Sirino, Comentário a Hermógenes 22.24–23.11) e por Plutarco, que escreveu um comentário a respeito de sua obra. Exerceu também grande influência nos poetas cômicos latinos.

Não há manuscritos de Menandro. Até o início do século XX, conhecíamos apenas sucintos comentários de eruditos antigos sobre ele e algumas citações. Em 1905, papiros com substanciais passagens de cinco comédias foram descobertos no Egito e, 50 anos depois, o texto praticamente integral de O Misantropo foi identificado em um dos Papiros Bodmer, também originário do Egito, e publicado em 1958.

 

leia mais