logo

Edições didáticas e traduções de textos gregos

Seção: a grécia antiga780 palavras
iiniUma tradução latina da Odisseia

O iniciante, o estudioso de áreas afins e o público em geral precisam se limitar, via de regra, a edições simplificadas — ou didáticas — e a traduções para línguas modernas, que podem ou não vir acompanhadas do texto original.

Edições princeps e edições padrão de textos gregos requerem grande familiaridade com o grego antigo e com o latim e estão, consequentemente, ao alcance de alguns poucos especialistas.

Edições didáticas

Elas são, em última análise, versões relativamente simplificadas das edições padrão de textos gregos. O autor usualmente adota o texto de uma das edições padrão existentes, sem aparato crítico ou com aparato muito simplificado, discute de forma limitada algumas dificuldades do texto, ajunta comentários de tradução, análises, referências à mitologia grega e a outros dados culturais e provê, dessa forma, um importante background para os estudiosos menos especializados.

Algumas dessas edições são acompanhadas de uma tradução do texto grego para línguas modernas, às vezes face a face com o texto grego (edições bilíngues). Exemplos típicos são as edições da Loeb Classical Library, publicadas pela Harvard University Press desde 1911 em Londres e Cambridge (Massachusetts, EUA), os Classical Texts da Aris & Phillips, inicialmente publicadas em Warminster, Inglaterra, e os Classici Greci e Latini da Arnoldo Mondadori, publicados em Milão.

Traduções

As primeiras traduções de textos gregos, datadas da Renascença, eram versões em latim do texto grego. O humanista holandês Erasmo de Rotterdam fez muitas delas, no fim do século XV e início do século XVI, e a editora francesa Didot publicou uma quantidade significativa durante o século XVIII.

Alguns autores gregos foram publicados pela primeira vez em latim, antes mesmo da editio princeps em grego (e.g. Diodoro Sículo, em 1472).

Fig. 0046. Da esquerda para direita, de cima para baixo: I Classici della BUR, Classici Greci e Latini (Mondadori), Biblioteca Clásica Gredos, Loeb Classical Lybrary, Clássicos Gregos e Latinos (Ed. 70), Grécia Roma (Hucitec), Clássicos Gregos (Ed. UnB), Editora Fiocruz, Editoria Odysseus.

Mais recentemente — e em especial nos últimos 100 anos — foram publicadas muitas traduções, mas quase todas essas publicações têm apenas uma tradução do texto grego para o inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou português (Fig. 0046). Os exemplos são numerosos; cito apenas a série Penguin Classics (Londres, Penguin Books), da Inglaterra, e a série Clássicos Gregos e Latinos (Lisboa, Edições 70), de Portugal.

Note-se ainda que existem no mercado muitas adaptações de tragédias e comédias para representações teatrais que eu, particularmente, não recomendo... Quase sempre o tradutor / adaptador recorre a tantas simplificações e faz tantas concessões ao gosto do público e ao formato das representações teatrais modernas que o produto final se reduz a uma sombra muito deformada da criação original.

Clássicos gregos em português

Em inglês, francês, alemão e espanhol temos traduções de quase todos os autores gregos; em português, infelizmente, há pouca coisa. Não levo em conta, aqui, algumas traduções indiretas que, na realidade, se basearam em antigas traduções inglesas e francesas e não no texto grego.

Em Portugal a tradição de traduzir textos gregos e latinos começou bem cedo, durante a Renascença; a série Clássicos Gregos e Latinos da Edições 70, os Clássicos Inquérito da Inquérito e a Coleção Mare Nostrum da Colibri, por exemplo, parecem ir de vento em popa, embora ainda haja muita coisa a ser feita.

No Brasil, embora já no século XIX intelectuais como o poeta Odorico Mendes (1799/1864), o Imperador D. Pedro II (1825/1891) e o Barão de Paranapiacaba (1872/1915) tivessem efetuado algumas relevantes traduções, até 1960 somente tentativas isoladas foram efetuadas, como por exemplo as traduções do professor Vittorio de Falco (c. 1941) e do poeta Guilherme de Almeida (1890/1969).

A partir de 1965, em ritmo irregular mas crescente, têm aparecido excelentes traduções de obras gregas essenciais, a princípio restritas ao ambiente universitário ou fortemente adaptadas para encenação teatral, logo publicadas em edições ao alcance do público em geral.

Na época de seu lançamento, a coleção Grécia Roma da Hucitec, a coleção Clássicos Gregos da Editora Universidade de Brasília e a Coleção Clássicos da Martins Fontes pareciam iniciativas promissoras, mas duraram somente algum tempo. Em 2005, a Fiocruz iniciou a série Clássicos & Fontes com a edição bilíngue de alguns textos da coleção hipocrática, preparada pelo meu amigo Henrique Cairus e por mim. A editora L&PM Pocket tem publicado, também, boas traduções em formato de bolso, a preços acessíveis. A Odysseus, a Iluminuras e a EdUNESP iniciaram, recentemente, bem-sucedidas séries de traduções acompanhadas do texto grego.

No Portal
as sinopses das principais obras gregas
são acompanhadas de referências a boas traduções
portuguesas pt e brasileiras br
baseadas no texto grego original.