O texto trágico

Seção: literatura grega
página esquemática / provisória
iiniManuscrito do Orestes, de Eurípides

Nos manuscritos que chegaram até nossos dias, o texto das tragédias foi disposto pelos escribas em formato mais ou menos padronizado: título e autor, hipótese, personagens do drama, texto propriamente dito, escólios.

Hipótese

A hipótese (gr. ὑπόθεσις, lat. argumentum) é uma curta introdução, prefácio ou sumário que precede muitos dramas gregos, tanto em manuscritos quanto em papiros [Ilum. 1392a].

A quantidade de informações é muito variável. Acredita-se que as mais antigas foram criadas no século -III pelos primeiros editores dessas obras, e há três tipos principais, de acordo com a origem (Allan 2008, p. 142):

  1. das edições alexandrinas iniciadas por Aristófanes de Bizâncio e formalmente atribuídas a ele, com variadas informações;
  2. de edições de Eurípides datadas dos século I e II, mas formalmente atribuídas a Dicearco (fl. -320/-300), com resumos nem sempre breves do enredo;
  3. de cópias dos manuscritos organizadas pelos eruditos bizantinos, com resumo dos dramas para uso escolar.

As hipóteses do primeiro tipo contêm, via de regra, a data, o título e os autores de outros dramas apresentados na mesma ocasião, a premiação no concurso e o nome do personagem que apresenta o prólogo, além de breves comentários sobre o tratamento do mito, o cenário e o enredo da peça. Alguns dramas têm mais de uma hipótese.

Personagens do drama

Em grego, τὰ τοῦ δράματος πρόσωπα; em latim, dramatis personae. Sucinta lista de personagens, usualmente na ordem de sua entrada em cena; às vezes o nome é seguido de pequena explicação [Ilum. 1392b]. Acredita-se que se trata também de uma adição dos antigos editores aos textos dramáticos.

Eis, a título de exemplo, os personagens da tragédia Persas, de Ésquilo:

χορός γερότων, ‘coro de velhos’; Ἄτοσσα, ‘Atossa’; ἄγγελος, ‘mensageiro’; εἴδωλον Δαρείου, ‘fantasma de Dario’; Ξέρξης, Xerxes.

Note-se que muitos personagens secundários e sem grande expressão nos mitos são designados apenas pela função: “mensageiro”, “servo”, “ama”, etc.

Texto dramático

Os versos são dispostos linha a linha,

A numeração dos versos, ausente nos manuscritos, foi acrescentada pelos primeiros editores e é conservada mesmo quando novo estudos mostram que em algumas passagens a ordem ou divisão original dos versos deve ter sido alterada na Antiguidade ou no Período Bizantino Nesses casos, o novo editor “corrige ” a ordem dos versos, mas conserva a antiga numeração, o que permite referência adequada à passagem em questão.

Prólogo

Escólios