Hesíodo

Seção: literatura grega840 palavras
Ἡσίοδος Hesiodus Epicus Hes.

Hesíodo é o mais antigo poeta grego de que se tem notícia com alguma certeza. Na Antiguidade, ele era tão bem considerado quanto Homero.

A poesia hesiódica se insere no âmbito da poesia épica e, assim como os poemas homéricos, representa a culminância de um longo período de evolução das tradições orais.

Biografia

Pode-se situar Hesíodo com razoável grau de confiabilidade no início do Período Arcaico mas, a rigor, não há nenhuma evidência tangível de sua existência histórica, salvo informações contidas em sua própria obra.

As informações biográficas de que dispomos são fornecidas por uma delas, Os Trabalhos e os Dias.

iHesíodo? (c. -700)

O poeta teria vivido em Ascra, na Beócia, no final do século -VIII ou início do século -VII (c. -700), período de crise agrícola e social. O pai era um imigrante de Cime, na Ásia Menor, que se tornou agricultor e vivia com dificuldade de uma pequena propriedade rural próxima ao Monte Hélicon. Teve vários litígios com um irmão, Perses, a respeito da divisão da herança paterna.

A exemplo do pai, Hesíodo viveu de sua pequena propriedade rural, mas parece ter recebido treinamento de rapsodo e certamente conhecia os poemas homéricos. A tradição lhe atribui a vitória em um concurso de poesia nos jogos fúnebres de Anfídamas, em Cálcis (Eubeia).

Como os poemas homéricos, sua obra parece ser uma coletânea de mitos e tradições conservados oralmente — no caso, tradições da Beócia, região em que viveu. Hesíodo foi, no entanto, o primeiro a utilizar suas próprias experiências como tema de poesia e a cantar a vida simples do homem do campo.

Obras sobreviventes

Dois de seus poemas chegaram integralmente até nós, a Teogonia e Os Trabalhos e os Dias. Os poemas Escudo de Héracles e Catálogo das Mulheres foram atribuídos a ele na Antiguidade, mas hoje sabemos que foram compostos em época bem mais tardia (século -VI) e seu autor deve ser chamado, consequentemente, de [Hesíodo] ou de Pseudo-Hesíodo.

A Teogonia conta a formação do mundo (cosmogonia) e a origem dos deuses (teogonia) e heróis; é um verdadeiro catálogo de deuses. O formato utilizado por Hesíodo nessas obras têm paralelo em textos hititas de -1400/-1200 e textos babilônicos ainda mais antigos.

Em Os Trabalhos e os Dias o poeta relata seus problemas legais com o irmão Perses, fornece informações minuciosas sobre a agricultura, e discorre sobre a importância da justiça e do trabalho.

Devido ao contraste entre as duas obras, há ainda uma certa controvérsia quanto à atribuição da autoria da Teogonia, de tema bem diverso de Os Trabalhos e os Dias, a Hesíodo.

Características da obra

Com a poesia de Hesíodo, ficam abertos muitos caminhos novos à mentalidade grega.

Assim como Homero, Hesíodo usou basicamente o dialeto iônico e os versos hexâmetros datílicos característicos da epopeia. Certamente conhecia os poemas homéricos, pois os epítetos épicos e expressões formulares que utilizou são semelhantes; mesmo o vocabulário lembra muito a poesia de Homero.

Mas enquanto a poesia hesiódica se assemelha estruturalmente à homérica, a temática tem ao mesmo tempo distância pequena e grande. Pequena, se considerarmos a Teogonia: Homero recorre frequentemente a narrativas míticas; Hesíodo preocupa-se em agrupar os deuses e heróis em um catálogo organizado e inteligível.

iA colheita da azeitona

Grande, se considerarmos os Trabalhos e os Dias: Homero canta a vida e os problemas dos aristocratas; Hesíodo descreve a dura vida quotidiana dos camponeses, suas preocupações e problemas. As nítidas e precisas imagens que evoca, inclusive, indicam conhecimento pessoal e profundo da vida rural e de seus problemas.

Quanto ao estilo e à finalidade da poesia, o contraste é profundo. Hesíodo tem estilo didático e pessoal, bem distante da “grandiosidade” e impessoalidade de Homero. Enquanto o poeta da Ilíada e da Odisseia nada fala de si mesmo e descreve os festins e as guerras dos aristocratas a uma audiência de aristocratas, Hesíodo identifica-se, usa quase sempre a primeira pessoa, dá opiniões.

Mais do que simplesmente divertir ou distrair, sua poesia têm uma nítida função didática, a exemplo dos antigos textos sapienciais das civilizações sumeriana, egípcia e babilônica.

Os textos

Sinopses

Os dois poemas de Hesíodo têm sinopses no Portal. Os escritos pseudo-hesiódicos foram abordados à parte.

Manuscritos

Numerosos manuscritos com os poemas hesiódicos chegaram até nós. O manuscrito mais importante, com os dois poemas completos, é o Laurentianus 32.16, datado de 1280 e conservado na Biblioteca Medicea Laurenziana de Florença.

Edições e traduções

A editio princeps de Os Trabalhos e os Dias é a de Demetrius Calcondiles (Milão, 1493); a das demais obras é a Aldina (Veneza, 1495). A primeira edição completa de Hesíodo foi a Juntina (Florença, 1515).

Atualmente, as edições padrão das obras completas de Hesíodo são a de Friedrich Solmsen, Reinhold Merkelbach e Martin West (Oxford 31990) e a de Glenn Most (Loeb, 2007-2008).

Há uma tradução portuguesa conjunta de Teogonia e Trabalhos e dias (Lisboa, 2005). O pseudo-epigráfico Escudo de Héracles também já foi publicado.