logo
346a
0346aX

O relevo das musas

c. 150

Relevo de sarcófago romano. Mármore, Via Ostiense / Detalhe da vista frontal (esquerda)

 
0346
O relevo das musas / imagem principal
 
0346a
/ Detalhe da vista frontal (esquerda)
 
0346b
/ Detalhe da vista frontal (direita)
 
0346c
Sócrates e uma das musas / Vista lateral esquerda
 
0346d
Calíope e Homero (ou Hesíodo) / Vista lateral direita
 
0346e
/ Vista panorâmica frontal esquerda
 
0346f
La bibliothèque
Óleo sobre tela de Edouard Vuillard (1868-1940). Data: 1911 / Recepção moderna
AcervoParis, Museu do LouvreInventárioMR 880 (Ma 475)ImagemPierre André Leclercq, 09/01/2018FonteWikimedia CommonsLicençaCC BY-SA 4.0Iluminura0346a
Comentários

O painel superior da parte frontal do sarcófago, delimitado por duas cabeças colossais, mostra uma cena de banquete contra um fundo cortinado. Um dos personagens possivelmente representa o falecido, que fazia questão de ser ser associado à cultura grega.

No painel inferior estão as nove musas, quase todas identificáveis pelos atributos usuais (Ilum. 0346a-b). Da esquerda para a direita:

  1. Calíope (poesia épica) lê um rolo de papiro ou pergaminho;
  2. Tália (comédia) segura uma máscara cômica;
  3. Terpsícore (dança), sem atributos;
  4. Euterpe (poesia lírica) segura um aulo;
  5. Políminia (hinos), sem atributos, se apoia em uma rocha;
  6. Clio (história) segura uma tabuinha;
  7. Erato (poesia amorosa), uma cítara;
  8. Urânia (astronomia) tem um globo aos seus pés;
  9. Melpômene (tragédia) usa uma máscara trágica.

No painel lateral esquerdo está Sócrates com uma das musas (Ilum. 0346c); acima deles há um grifo, guardião do além. No direito, Homero (ou Hesíodo) recebem seus poemas de Calíope (Ilum. 0346d), sob siguras de animais.

Acreditava-se, desde o século -IV, que a prática das letras e da filosofia, i.e., o constante relacionamento com as musas, assegurava a saúde da alma e facilitava a passagem para o outro mundo. Essas ideias tiveram grande influência na arte funerária romana entre os séculos II e IV.

O “sarcófago das musas” foi encontrado em 1698 no interior de algumas ruínas sob um vinhedo, perto da Via Ostiense (Roma). Era parte da coleção do Cardeal Albani (1692-1779) e foi levado a Paris durante as guerras napoleônicas. Exerceu grande influência em pintores (e.g. Antonio Canova) e poetas (e.g. Paul Claudel). Vuillard colocou-o na pintura “La bibliothèque” (Ilum. 0346f).

A imagem ilustra a página inicial da seção LITERATURA:

Introdução à literatura grega
A poesia épica
A poesia lírica
A tragédia clássica
Comédia antiga e intermediária
Os prosadores antigos
Oratória e oradores áticos
A literatura helenística
A literatura greco-romana