logo

Os titãs Oceano e Tétis

Área: mitologia grega  |  520 palavras
 
Oceano, Tétis e Ilítia
᾿Ωκεανὸς δὲ γαμεῖ Τηθὺν ἑαυτοῦ ἀδελφήν· τῶν δὲ γίνονται τρισχίλιοι ποταμοί, ᾿Αχελῶιος δὲ αὐτῶν πρεσβύτατος καὶ τετίμηται μάλιστα.

Oceano se casou com Tétis, sua própria irmã. Eles geraram três mil rios e, dentre eles, Aqueloo era o mais velho e o mais reverenciado.

Quando Crono se tornou o novo soberano do mundo, os outros titãs foram libertados, novas divindades surgiram e a formação do mundo pôde prosseguir.

O titã Oceano (gr. Ὠχεανός), filho de Urano e Gaia, nunca saía do lugar e pouco participou das lendas. Era imaginado como um imenso rio que cercava totalmente a terra firme — conceito assimilado, inclusive, pelos primeiros geógrafos. Unido à sua irmã, a titânide Tétis (gr. Τηθύς)[1], teve mais de três mil filhos e filhas. Todos os rios e fontes do mundo se originavam dele, assim como as numerosas oceânides.

i0098

A titânide Tétis, sua irmã e consorte, parece ter sido originalmente uma deusa-mãe, cujo nome nome aparece nas tabuinhas de Pilos escritas em linear B. Deusa da fertilidade, portanto, simbolizava provavelmente a capacidade geradora e fecundante das águas.

É grande a importância da água nas diversas lendas da criação, como por exemplo as do Egito e da Índia antiga. Entre os gregos, Homero relata igualmente que tudo teria se formado a partir do titã Oceano e de Tétis (Il. 14.201). A versão de Hesíodo, que dá a primazia ao Caos e coloca Oceano entre os deuses da segunda geração, porém, se tornou a mais aceita.

Rios e oceânides

Os rios (gr. Ποταμοί) dispensam apresentações... para os gregos, eram entidades divinas do sexo masculino. As oceânides (gr. Ὠκεανῖναι), do sexo feminino, personificavam os riachos, as fontes e outros cursos d'água.

Rios principais
Aqueloo, Alfeu, Escamandro, Estrímon, Peneu, Erídano, Asopo, Ínaco, Nilo, Cefiso
Oceânides principais
Estige, Electra, Dóris, Métis, Eurínome, Ásia, Fílira, Plêione, Calírroe, Climene

Os rios se uniram ou tentaram se unir a mulheres mortais, gerando descendentes eminentemente humanos e mortais. O rio Asopo da Beócia, por exemplo, se tornou pai de Antíope, a mãe de Anfíon e Zeto, e Aqueloo foi pretendente de Dejanira, irmã de Meleagro. Em versões tardias, Aqueloo teria se unido a uma das musas, Terpsícore ou Melpômene, e gerado as sereias.

As oceânides, por sua vez, geravam outras dividades ao se unirem a divindades do sexo masculino. Ásia uniu-se a Jápeto, Electra a Taumas, Fílira a Crono, Dóris a Nereu, Estige a Palas, por exemplo, e Métis foi a primeira esposa de Zeus.

Iconografia e culto

Oceano, nos mais antigos vasos de figuras negras, era representado como um tritão (tal e qual Nereu) ou com cabeça de touro. Cada cidade venerava seu rio, sua nascente, e em alguns locais havia até templos dedicados a eles; em geral apenas Aqueloo era representado, habitualmente na forma de centauro ou touro.

leia mais